Como implantar um home office “saudável” em minha empresa


Como implantar um home office “saudável” em minha empresa


O home office entrou para a rotina profissional de várias empresas. Mas, para se tornar uma prática "saudável", é fundamental que diretrizes, infraestrutura, treinamento, suporte e uma boa comunicação estejam presentes.

Sabemos que a pandemia aumentou o modelo de home office dentro das empresas. A tendência, que já vinha crescendo, explodiu devido à necessidade de isolamento social. Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), esta prática concentrou 17,4% do total de rendimentos do trabalho no país em novembro de 2020.

Apesar de apresentar uma pequena queda, devido ao afrouxamento das medidas de restrição, é possível perceber que a prática do home office veio para ficar. Ela deve se tornar uma opção cada vez mais recorrente na rotina profissional de algumas empresas. Contudo, para possibilitar práticas produtivas e saudáveis, é fundamental que as organizações e seus colaboradores se ajustem à operação a distância.

Home office: o que é, prós e contras

Também chamado de trabalho remoto, o home office é uma prática que permite ao colaborador da empresa trabalhar de qualquer lugar, desde que disponha de certa infraestrutura como telefone, computador com conexão à internet e algumas ferramentas digitais.

O processo ocorre de modo descentralizado, remoto, produtivo e equilibrado. Mas, para isso, é fundamental estabelecer canais eficientes de comunicação (interna e externa), utilizar sistemas para o planejamento e gerenciamento das atividades, além de estabelecer diretrizes e procedimentos coerentes com o contexto cultural da organização. Ah! E claro, a disciplina e concentração dos colaboradores são essenciais.

A opção pelo trabalho remoto oferece vantagens e pontos de atenção. Assim, cabe analisá-las criteriosamente antes de fazer a escolha. Vamos a algumas delas:

Vantagens:

  • Maior flexibilidade e autonomia para conduzir projetos, inclusive em outras localidades;
  • Redução de custos com deslocamento e alimentação;
  • Possibilidade de melhor gestão do tempo e presença junto à família;
  • Provável melhora da qualidade do sono e da alimentação;
  • Maior satisfação e produtividade.

Pontos de atenção:

  • Possível interferência de dinâmicas domésticas na rotina de trabalho;
  • Perda de privacidade pessoal;
  • Possível excesso na carga de trabalho e estresse;
  • Indefinição de horários pessoais, caso não se consiga estabelecer limites;
  • Tendência ao isolamento social (principalmente para quem mora só).

5 dicas para implantar um home office “saudável” em minha empresa

Um bom home office é aquele benéfico para a empresa e para o funcionário. E, claro, há profissionais que não têm um perfil propício para realizar atividades de modo remoto, assim como há empresas cuja natureza do trabalho prescinde do colaborador no local (caso interaja com máquinas ou efetue trabalhos que não podem ser suportados pela tecnologia, por exemplo). Assim, a organização deve analisar e definir se há e em que condições essa modalidade será permitida.

Caso sua empresa pretenda se utilizar deste recurso, algumas dicas podem tornar essa adaptação mais saudável e produtiva:

1. Prepare e treine seus colaboradores

Não adianta simplesmente dar um notebook para o funcionário e mandá-lo para casa. Investir no treinamento vai garantir que tópicos como produtividade não sejam afetados, ao mesmo tempo que dará amparo a adaptação do funcionário ao novo modelo.

2. Dê condições e infraestrutura necessárias para a realização das tarefas

Providencie ferramentas de trabalho (computador e cadeira ergonômica, por exemplo) e de comunicação (internet de qualidade e ambientes virtuais para reuniões). E verifique se o colaborador tem condições de manter um ambiente tranquilo e organizado para trabalhar sem interrupções ou distrações.

3. Suporte de uma equipe de TI sólida

Garantir suporte técnico possibilita que o funcionário consiga realizar suas funções, mesmo com a distância física, para manter, ou até mesmo aumentar, sua produtividade.

4. Garanta que rotinas e processos aconteçam

Apesar do ambiente ter sido alterado, é fundamental que os processos sejam mantidos. Para isso, é importante estabelecer diretrizes claras e um gerenciamento efetivo das atividades, seja fazendo one-on-one com os colaboradores, ou solicitando o envio de relatórios ao final de cada expediente.

5. Mantenha uma plataforma de comunicação interna

Indique que os colaboradores se mantenham on-line e disponíveis, em uma plataforma comum, durante o expediente. Isso permitirá o diálogo diário e a manutenção do fluxo de informações entre a equipe.

E aí, o que achou das nossas dicas? Gostou? Então fique de olho em nossos próximos conteúdos.


VEJA TAMBÉM NO BLOG DA SUPRISUL

Inclusão Digital: O que é e como ela pode fazer a diferença na vida das pessoas

Suprisul: 28 Anos de União e Conquistas

Por que a economia compartilhada é o futuro?